segunda-feira, julho 06, 2009

Não faz a santa, amada.





Traição.

Não trair é um dom, quase. É se deixar pra trás, e priorizar amigos. E isso é uma dádiva de quem observa ou quem SE IMPORTA em observar. Por que, te falo, tem gente que não vê por que não se importa.
Por mais que as pessoas digam que eu sou malígna, os poucos amigos (ou os considerados assim) que eu tenho, eu sempre penso neles primeiro. Às vezes o que eles querem está implicito, mas às vezes não. Ler nas entrelinhas é um dom.
Mas há casos, que não se leem. Não se importam, não se lembram nem o seu nome. É só o feromônio em ação e foda-se o mundo. Afinal, o que mais é necessário que 2kg de Jeans? Nada.
E nesse foda-se é que a pessoa se fode. Por que eu faço a Scarlett, queridinha. O ódio me consome, e eu entro em ebulição interna. Eterna. E você se foca pra não perceber mais nada, se foca mesmo que seja na sua dor. E vocÊ reza pra essa dor non passar nunca, por mais dolorosa que ela seja. É melhor que tacar a cabeça de alguém na parede... É mesmo?
Pq todo mundo corre de fazer o que dá na telha? As pessoas que ñ leem nas entrelinhas e não se importam de fazê-lo, sabem. E eu vou descobrir tbm, sabe pq?
Por que não se deve tratar como prioridade quem te trata como opção.
Pq existir é fácil, okay? Viver é que é raro. E eu vou viver, se eu quiser rir eu rio. Se não, vocÊ que chore.
Morgana me perguntou "Pq vc ainda atura isso, cara? Eu mandava tomar no cu." E eu sinceramente não sei, pq eu ainda faço isso?
E agora eu quero que se foda. Vo me jogar, aloka. Fazer a maluca, dar a cínica, ser a Scarlett.
Mudei pra melhor, e não fiquem alegres, é o MEU melhor, não o seu. E a partir de hoje, são apenas 3 pessoas cujas as entrelinhas estão na minha cara pra eu ler. E eu me importo com eles. Três únicas pessoas de quem eu sinto saudades. Três pessoas que me levam à Nárnia. Eles me mantêm no caminho. No meu caminho e me ensinam que o "foda-se você" é, às vezes, o melhor caminho a seguir. E eu obedeço sem pestanejar. Pq traição da parte deles nunca existiu. 4 anos. 3 anos. 4 meses, que mostram que não importa por quanto tempo... mas com qual intensidade.
Poucas pessoas sabem que o tempo não cura nada. E eu lembro. De tudo, desde sempre.



E esse texto, se torçer, escorre veneno.
Quem vê até pensa, quem é sabe.