quarta-feira, dezembro 09, 2009

Desventuras em série.



Hoje eu ía postar sobre minha semana merda... Merda mesmo, sem exageros.
A última vez que eu dormi bem, foi sábado, 28 de novembro. Semana de revisão até sexta feira 04/12.

Começou a pegar mesmo no dia 4. Sexta feira, véspera de Enem, eu tava calma com a prova, mas era na Lapa e minha carona (Jayme) non sabia nem como ELE ía. Igor me ajudou nessa parte. Ía de carona com ele, ok.

Sábado, 05/12, Prova I: Ciências da Natureza e suas Tecnologias; e Ciências Humanas e suas Tecnologias.
- Fiquei nervosa, minha mãe falando logo de manhã, faz isso faz aquilo, dormi tarde resolvendo a carona, acordei cedo demais, irritada, sem comer, Igor se atrasou, minha mãe queria que eu ligasse e exigisse ele aqui, (Vê se pode! É carona, cara, eu hein!) CLARO que eu non fiz isso, pelo contrário, saí de casa e me encaminhei até o lugar marcado... Só pra non ouvir mais nada.
Fui andando lentamente, Igor já estava lá. Meio-dia, e a gente comendo, eu morrendo de medo de me atrasar.
Enfim na sala.
"Segunda fileira, sexta cadeira." Mas tinha uma menina na cadeira, pensei que o fiscal tinha se confundido... Não, a 5a cadeira era quebrada, e ela mudou de esperteza. Troquei por uma de canhoto, que tava inteira.
Prova fácil, enfim. Terminei umas 17h. Liguei pra mãe do Igor, ela chegou 18h. Pegou engarrafamento. Fomos pegar o Igor. Tudo isso sem música. E com fome.

Na Av Brasil, paramos num posto com lojinha de conveniência. Ápice do meu dia: Uma máquina de nescafé. Capuccinos e cookies e voltamos pra casa. Fui dormir tarde, non me lembro o por que.

Domingo, 06/12, Dia de Jogo do FlamengoxGrêmio. Tinha algo sobre o Fluminense e sobre o Botafogo também.
Prova II: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e Redação; e Matemática e suas Tecnologias:
- A mesma ladainha por parte da minha mãe, que reclamou até da BLUSA QUE EU TAVA!
"Você vai com essa blusa?" *Cara de desgosto*
"QQ tem ela?"
"Tira ela, to te avisando"
Me perguntei se era algum tipo de código, pelo jogo.
"Quem non escuta cuidado, escuta coitado"
Não tirei. Não tenho mais 5 anos. Passou 3 minutos, minha tia:
"Você não vai mesmo tirar essa blusa?! Poucas coisas que a gente pede e vocÊ não faz!" Ok, mudei a porra da blusa!
Aí minha outra tia entrou no coro, "Vai ter um engarrafamento de 3h!"
Tá, mais ladainha sobre mandar o Igor vir mais cedo. Pegamos o carro, no mesmo horário, e não tinha ninguém na rua. Tipo, NINGUÉM. Chegamos lá 11:40!!!
Tá, fiquei entediada na sala. Dessa vez podia sentar em qualquer lugar lugar, sentei no canto pra me esparramar. Me deram a prova, e eu começei a ler a "Proposta de redação" blablablabla frente ética nacional blablabla aí a menina do lado (Que eu conhecia)
"Jade..."
"Oi"
"Não é pra abrir a prova ainda não"
"..."
Fechei a prova, e virei, e quando vc vira, tem o rascunho da redação, peguei o lápis e começei a escrever. 20 minutos tinha terminada. Fácil, fácil.
Ok, linguagens tava BANAL! fiz fácil, aí veio matemática e suas depressões.
Fechei a prova, peguei o cartão resposta e desenhei do jeito que eu achei mais conveniente. (Só fiz duas, realmente, tipo, li.) Terminei eram 16:30... Fui a primeira.
Liguei pra mãe do igor, ela veio em uns 35 minutos.
Igor demorou pacas, saiu 18h...
Ok, ápice do dia, café com cookies no mesmo posto.

Cheguei em casa e lembrei, amanhã tem prova! Dormi tarde, acordei com sono por 3 dias. Fiz a prova toda, e confiante. Tirei 6 u.u precisava de 7. Física tirei 0,5. Precisava de 10, ou mais. Meu fone quebrou, e descobri que tinha projeto final pra quarta. Projeto final é SÓ um projeto que me dá o diploma. E eu SÓ tinha que automatizar uma casa pros professores do técnico verem. Marquei com a Thaíze e a Andréia de ir pra Palmares (onde elas moram) pra elas me ajudarem no resto do Trabalho... Ok, ralei em 50% da parte burocrática. Tudo isso chovendo horrores e meu tenis furado, mas eu pensei "só um corte" Mesmo na chuva eu fui me depilar, com a morgana. Ela veio dormir aqui. Dormi tarde e não estudei, novamente. 4 dias com sono atrasado.

Terça feira, morgana dormiu aqui. Amanheceu chovendo, minha mãe queria que eu pagasse a conta, eu falei que não podia pq eu ía pra Palmares fazer o projeto que faltava... Ela brigou comigo, e eu tava tão estressada que começei a chorar na mesa, tipo, não consegui parar! Morgana ficou sem reação xD tadinha. Tá, fui pra escola, prova de matemática e de literatura. Assinei três atas... nem li. Só assinei. Veio primeiro Literatura, fiz normal, aí veio outra prova, falando de meia-vida. Aí eu pensei "to aprendendo isso em Química..." continuei lendo e queria saber a porcentagem de tal elemento "Po, elemento em mat? Aldacir tá misturando as matérias? Já achava ele louco... agora então..." Aí eu continuei lendo até que eu perguntei em voz alta "Isso é química?"
"..."
"TEM PROVA DE QUÍMICA?!"
"Claro que tem, assinou quantas atas?"
"T_T omfg!" Tá, "fiz" química. Aí veio matemática. Como sempre, non sabia nada, ía marcar as com múltipla escolha, mas eu bati meus olhos num OBS do professor
"Só aceito respostas com contas justificando as mesmas" u.u
"Fooooooda-se"
Levantei, entreguei, to andando em direção a porta, alguém pergunta:
"Acabou?" NAMORAL! Continuei séria, virei pro meliante:
"Não, to levando minha bolsa pra passear..."
ok, meu professor non conseguiu parar de rir, nem depois que eu saí.

Fui pra casa da thaíze, fiz o trabalho, tirei milhões de fotos, depois fui na academia dela, chovendo RIOS, matei o curso pelo trabalho. Peguei uma van voltando pra casa, só tinha em pé, tipo 18h non tem nada... Ok, pensei "Só uns 5 minutos de van em pé"
Engarrafamento. 35 MINUTOS EM PÉ, COM DOR NO PESCOÇO PQ A VAN ERA BAIXA!
E chovendo doblôs, quase!! Meu allstar estava com um ROMBO embaixo, eu tava MUITO MOLHADA, meu guarda chuva com goteira, e eu finalmente cheguei em casa.

Se você leu até aqui, vc é um guerreiro. Comente "santas batatinhas, batman!


Estava irada. Não, não, irada era POUCO! Até vim falando pela rua sozinha, com Deus, pedindo PELAMORDEDEUS, pra ele mudar, pra melhor, por favor! Cheguei em casa, alguém revirou meu quarto do avesso (ODEIO QUE MEXAM NO MEU QUARTO) e eu molhada, cansada, estressada e com sono em semana de prova tive que arrumar. Tomei um banho frio, nesse frio. Minha professora do curso me ligou, pensei "Porra, nunca me cobram pq eu matei aula... LOGO HOJE!" Mas não, ela me ofereceu uma entrevista de emprego. Me descobri com febre. Precisei do meu pendrive com o Cássio. Quando ele veio, me trouxe mais problemas, a gente conversou e eu chorei índices percentuais pluviométricos! E eu fui dormir tarde de novo e com a cara inchada de choro. Jéssica ficou de me passar uma parte do projeto, dela, pra eu basear o meu, mas não chegou.
Ápice do dia: Previsão de entrevista.

Quarta, Hoje. Projeto final NÃO ACONTECEU, pq a parte de botar-a-mão-na-massa ficou com medo da chuva e non foi comprar os bagulhos... tipo, eu fui pra PALMARES E NÃO DORMI e eles com medo de CHUVINHA? AINDA ACORDEI CEDO! Ok, calma. Não, caros colegas leitores felizes, eu non pude voltar pra casa pra dormir, quando adiaram o projeto pra amanhã... Tinha prova de dependência uma hora. E eram apenas 8:20 da manhã. Dormi na cantina. Não estudei pra prova, DE NOVO. Vim pra casa e cá estou.
OBS, o projeto é amanhã, tenho prova de física amanhã, mas non vou poder ir, pq tenho entrevista. O que é bom, pq eu quero esse emprego.


=D É ou não é pra chorar? [/Kelly Key já dizia.

sábado, novembro 14, 2009

Hoje




Até o dia amanheceeeeer!

sexta-feira, novembro 13, 2009

Sometimes, just sometimes.




Às vezes tá tudo tão bom, que tudo o que você quer é parar o tempo.

quinta-feira, novembro 12, 2009

Desentendimentos




É dificil quando non há problemas realmente, só uma série de desentendimentos... Por que aí, é fato, você não entende. Não há o que consertar.

O problema MESMO é que desentendimentos também geram bolas de neve...

sábado, novembro 07, 2009

Hoje.

Calor, calor do inferno. Mas às 17hs...







Deus fechou com chave de ouro. E eu com camisa branca molhada.

Fiz mais sucesso, eu acho.

quinta-feira, outubro 15, 2009

Lifetime made of moments



Cada passo que eu dou na vida, ela me supreende, e eu conheço mais a ela. Mas acho que ela já me conheçe de tempos.


A vida é feita de momentos, todo mundo sabe disso, mas a cada dia que passa você nota melhor esses momentos, e começa a perceber também quais deles serão guardados com mais valor na memória.
Não com mais amor, mas com mais valor. Muitas vezes os momentos que você mais se lembra, você não tem amor a ele em particular.

O momento mais difícil pra mim, sinceramente não tive. Tive muitos momentos duros na vida, alguns com importância só pra mim, apesar da contribuição e notável preocupação de amigos próximos. Momentos de felicidade pura, você nunca percebe na hora, mas quando você olha pra trás, a um dia avulso e pensa "eu nunca mais me senti assim" você sabe, tarde demais, que aquilo foi uma felicidade pura.

Quando você passa por momentos felizes, eles nunca duram mais de um dia, felicidade é uma coisa que não repete forma, cor ou tamanho. Ela é sempre nova, talvez seja por isso que a gente geralmente não reconhece no momento.
Mas dor... Dor é uma coisa que pra você demora dias. Ela te corrói, te suga, e parece interminável. Sempre é interminável, e você sabe que a maioria dos seus maiores aprendizados veio com dor. Pelo menos comigo foi assim.

Quando você aprende com felicidade, você não dá o mesmo valor. A satisfação é de obtenção rápida, isso é fato, mas você logo esquece a lição.
Já a dor não. A lembrança da dor é muito mais fixa do que a da felicidade, vc pode pensar "nunca mais me senti assim" mas seu corpo não sente a felicidade de novo no "assim". Agora, com a dor, você pensa "me senti assim" e o seu corpo tem a habilidade (mórbida, diga-se de passagem) de voltar no tempo e te fazer sentir tudo de novo.

É por isso que recuperar a confiança, perdoar, esquecer, seguir em frente, são uns desses momentos em que você sente a dor interminável e parece durar pra sempre. Você nunca alcança, mas quando se dá conta, já passou. E você olha pra trás e percebe que receberia a mesma dose da mesma dor, se isso significasse você dona de si novamente, mudada, e um pouco mais sábia.

Muita gente tem meios de usar suas lembranças. Eu quero uma tatuagem. Não que eu não confie na minha mente, mas às vezes uma lembrança a mais de que tudo passa é muito bom.

Isso também vai passar.


Era o que Chico Xavier tinha em cima da sua cama, num quadro. Ele respondeu à repórter que significava que tudo passa, até as coisas boas. E aquilo estava ali para lembrá-lo disso.

Tudo passa, e nada melhor que esperar passar o hoje, com o mundo novo logo amanhã.
Literalmente.

quarta-feira, outubro 14, 2009

Minhas mulheres de Libra



Sei que o título é pretencioso — MINHAS mulheres de Libra —, afinal quem sou eu para ter alguma mulher, ainda mais mulheres de Libra, que normalmente são graciosas e lindas além da conta... E acima de tudo sensíveis e independentes.

Uma mulher de Libra, lendo essa palavra, MINHAS, não só se sentiria ofendida como me enviaria, mentalmente, desprezo suficiente para eu sofrer pelo resto de minha vida.
Se escrevo esta crônica nesse momento, é porque as mulheres de Libra não estão lendo. Tenho certeza disso porque as librianas todas estão envolvidas com seus aniversários, dando conta de preparativos e convidados para as suas festas de aniversário, e sendo felizes na companhia de seus amigos ao invés de lendo crônicas num site de internet.

As librianas — não sem razão — estão muito ocupadas no final de setembro, início de outubro, e posso chamar de minhas pelo menos algumas delas, já que elas nem saberão disso. Os amigos da librianas, aqueles que poderiam fofocar sobre a minha pretensão, também estão preparando festas-surpresa para as aniversariantes.

Minhas librianas foram apenas três. E se digo "apenas" não é para humilhar os demais homens, que talvez não tenham tido a honra de ter uma libriana sequer. Para falar a verdade, das minhas três librianas, eu tive apenas uma. Librianas são difíceis de conseguir, porque há sempre cinco ou seis homens na fila.
São aquelas mulheres de quem um homem pensa: Como posso morrer sem tê-la beijado uma vez sequer? E, tendo-a beijado, como morrer sem estar ao lado dela, feliz até o fim?

Quem já teve uma libriana e não tem mais — meu caso — é porque não sabe o que é bom. Ou então porque teve uma libriana quando ainda era muito novo — minha desculpa —, e não sabia o tesouro que tinha ao alcance das mãos e dos lábios.

Quem conversa com uma libriana tem a sensação de que está conversando com uma das pessoas mais inteligentes do mundo; e, quando acaba a conversa, tem a certeza de que está tocando, beijando, transando com a mulher mais potente e amorosa do mundo.

Das minhas librianas que não tive, uma tinha o poder de se transformar numa imagem de Nossa Senhora com Menino Jesus no colo, e de transformar a mim num monge contemplativo. A outra me fazia crer que eu a fazia subir pelas paredes, quando ela é que girava meu mundo e transformava teto em chão.

De vez em quando, vejo as minhas librianas que eu nunca tive por aí, ao lado de outros homens felizardos. Já passei da fase da inveja, já não considero mais tais homens pouco merecedores de uma libriana. As librianas também têm o dom de tornar os seus homens melhores, a ponto de eles se tornarem merecedores do amor delas.

Minha única libriana que tive um dia, só a vi uma vez depois de tê-la perdido, casualmente, num shopping. De vez em quando — agora, por exemplo —, paro e penso que aquela pode ter sido a última vez que a vi. E o que eu disse? Um boa-noite, um como vai?

Como posso morrer tendo dito tão pouco? A última coisa que se deve dizer a uma libriana é "eu te amo, sempre te amei, e sempre te amarei".
E se ela disser "eu também", não haverá mais crônicas a serem escritas no final de setembro, início de outubro. A vida com uma libriana deixa pouco tempo para a literatura.

Eduardo Loureiro Jr.

segunda-feira, setembro 28, 2009

Pequeno monstrinho verde.




"Perdoe-me, Senhor, pois eu pequei."
Sempre quis falar isso, nunca me confessei. Pois aqui vai uma confissão.

Às vezes quero você só pra mim, só do meu pertence.
Afastar-lhe de todos os seus amigos, para ter-te só pra mim.
Claro, que sei que isso é egoísmo... Sou egoísta e sei-o bem.
Sinto, às vezes, na maior parte do tempo, confesso-vos, um ciúme de ti não tão incontrolável assim...
Apesar dessa louca vontade de te prender num frasco, não sou louca ao ponto de te privar de outras pessoas;
Fazer-lhe-ía um mal tão grande que nem meu ciúme seria maior que minha culpa.
Ver-te confessando-se com outros é ruim, mas sei necessário.
E esse pequeno monstrinho verde consome minh'alma, mas apenas o deixo roer por um tempo
Pior que prendê-lo é alimentá-lo.
Por isso prendo-o em minhas entranhas, e de lá ele não sai muitas vezes.
Não sei bem se ainda tenho entranhas, pois são com elas que o alimento.

Se ciúme e egoísmo são pecados, não me sinto mal, todos nós erramos, pecado mesmo deve ser deixar-se levar por eles. Eu os solto, deixo-os ir. Não os quero. Digo a mim mesma que não preciso. E sei-o que não.

Gosto, e acho essa uma mania que não vou livrar-me nem tão cedo muito menos facilmente, quando vejo corroer-te o mesmo mal.
Sou insana, terem ciúmes de mim é algo que me deixa extasiada. Merecedora de tanto zelo... Sinto-me a pessoa mais querida do mundo. E amo-te mais quando me dizes que o teve.

Se sabes disso, não sei.
Mas achei que deveria confessar-me agora, que deixar passar em branco e esse texto perder-se na minha pequena memória.

sábado, setembro 19, 2009

Dias de luta, dias de glória



Sabe aqueles dias que vc percebe que tirando uns 3 ou 4 dias atrás, vc non mexeu uma palha em qualquer outra direção? Que você continua parado, que seu mar não tem ondas, que seu mundo tá cinza?
Sabe quando vc quer mais é deitar numa rua e esperar a vida mudar, pq vc não sabe mais pra onde correr, ou o que quer, ou como esperar?
Quando você não se sente presa em lugar nenhum, quando vc sente que a vida de todos que te rodeiam seria a mesma coisa com ou sem vc, quando vc sente que eles tbm sabem disso.

Quando qualquer coisa parece um sinal, quando tudo na rua te lembra um problema, quando vc tem vontade de matar todo e qualquer impensilho.
Quando tudo em você incomoda, quando vc quer não ter tempo nem pra pensar mas o tédio é tão grande que multiplica seu tempo vazio por 8.
Quando non tem nada nem ninguém pra pedir ajuda, quando vc tá sozinho, quando vc não tem mundo, quando vc não tem motivo pra nada.
Quando vc quer uma resposta pra fazer sua vida perfeita, quando vc quer ter um futuro bom, quando vc fica frustrado facilmente.
Quando vc não pode contar com ninguém, quando vc percebe que vc é confiável mas não tem isso de volta, quando vc começa a lembrar de todas as vezes que vc falou "não faço mais isso" e fez de novo.
E te dá vontade de gritar de raiva pro mundo ouvir que vc não quer ser mais boazinha, que vc quer perder todos seus sentimentos, que vc não quer monotonía, que quer pular de um prédio só pelos poucos segundos de adrenalina.
E vc se pergunta em quanto tempo notariam que vc não está mais alí, e quem além da sua mãe, perceberia primeiro...

E por mais que às vezes vc pense que não, sua mãe é confiável, e isso te deixa triste, por só conseguir pensar nela nesse posto.
E vc quer perder escrúpulos, quer virar gelo, quer queimar o mundo vivo, mas se deixa solta no seu mar sem maré, sentindo o nada, deixando o nada tomar conta, pq é melhor não sentir nada do que essa sensação de estar no escuro sozinha.

domingo, agosto 23, 2009

Profile 2



Meus banhos são demorados e eu adoro água fervente... Sério, daquelas que dói o corpo. Não gosto que me comparem com ninguém, não é por me achar melhor ou pior é que cada um é cada um. Não gosto de jogos com tempo, sou viciada em Riddles! Eu acredito em vida alienígena, e acho que essa vida é bem inteligente de não fazer contato com os terráqueos. Adoro vilões! E não é os porque eles são o contrário dos bonzinhos ou coisa parecida pra ser diferente. Eu gosto deles por que eles não fazem a coisa certa sempre, eles fazem o que querem. Se acertar, legal... Se não, foda-se.
Gravo as falas de tudo quanto é coisa, inclusive ordens de comerciais. Gosto de falar em código. Gosto de pegar músicas de ouvido. E treino meu inglês falando com meu irmão pelo telefone e vendo filmes. Adoro maquiagem. Tenho o sonho de viajar pelo mundo. Não sei o que eu vou fazer da vida, tudo me interessa, mas não me vejo praticando nada em especial. Pretendo casar, mas isso ainda me parece meio distante.
Tenho um dedo PODRE pra caras... Se eu escolhi, podes crer que ele tem problema. Minhas unhas são sempre grandes e pintadas. Gostos de saber das histórias por trás das histórias, da onde as coisas vieram, como foram feitas, pra que exatamente servem, se fazem mal pro solo, se podem ser recicladas, como são recicladas. Minha curiosidade é infinita. Tenho argumentos pra tudo por isso minha mãe nunca me deixa falar. Respostas sempre na ponta da língua.
Acho piercing na sobrancelha e no umbigo feio demais. Odeio pagode, gruda na mente e é “música” de corno. Nunca quis um pônei, sempre achei que eles eram os anões dos eqüinos. Odeio a Susie, boneca feia da porra. Já brinquei de Barbie, mas larguei pra brincar de carrinho e soldadinhos com o meu irmão no nosso campo particular da segunda guerra mundial (Y). Adoro Pump, DDR é só pra suprir a saudade da pump T_T. (Eu não comia pra comprar fichas). Gosto de não ter tempo pra nada e correr o dia inteiro. Tédio é horrível. Gosto de ficar cansada de tanto andar em lugares novos. Gosto de rir até a barriga doer, mas não faço isso faz tempo... Não que eu não ria, é que há uma diferença entre achar graça e rir de fato.
Há filmes que só vejo pelos atores (ex: The Sweeney Todd, que por sinal foi horrível). Gosto de fazer caretas quando falo. E sempre reparo nos figurantes. (Por falar nisso, em Charlie’s Angels o cara da poltrona da janela ta tirando meleca xD) Eu geralmente vejo erros nos filmes. Eu gosto de filmes de época. Eu ainda vou andar de skate, fazer parkour, surfar, escalar, fazer trilha, voar de asa delta, saltar de para-queda, pular de bunging jump etç (: Meu joelho é total fodido, não tem o osso que segura a rótula no lugar.
Tudo meu se baseia no meu humor, roupa, música, sapato e até a companhia. Não sinto dores aonde todo mundo geralmente sente, como por exemplo: Pinça e depilação. Me canso das coisas facilmente. Sou uma viciada em tudo, nas minhas fixações momentâneas, se eu faço o que eu quero logo surge outra. Tenho preguiça das pessoas. Gosto de saber e contar o final do filme... Mas respeito quem não gosta. Odeio quem fala tocando. Não me toque u_u. Odeio gentinha efusiva. Odeio festa de pegação grupal. Faço diálogos comigo mesma e muitas vezes não só mentalmente. Faço diálogos comigo mesma em inglês e muitas vezes não só mentalmente. Canto antes de dormir. Dizem que eu canto bem. Não gosto de ter de pensar pra me arrumar.
Sou estranha desde criança, minha primeira visita no hospital foi um mendigo famoso da cidade, chamado Bolão, que levou Vodka pra minha mãe. Minha primeira palavra foi o nome do matador do local, que eu reconhecia pelo som da moto, ex: *Vrum, vrum* "óh! Vává! Vává!." Meu nome ía ser Naja, mas uma prima da minha mãe falou que eu poderia sair com o gênio muito forte, então ela mudou. Hoje em dia ela diz que não adiantou de nada... u_u. Eu ficava gritando como uma louca antes de dormir e meu pai me dava gravata pra eu dormir. Pois é.

terça-feira, agosto 18, 2009

Vários lados do amor.




Hoje eu descobri um dos milhares de lados do amor. O ser amigo.
Eu achei que tinha perdido um amigo. Não perdi.

Amizade é isso. É doar sempre. Tirar de si pro outro. Não é sempre, mas de vez em quando é isso que prova a amizade. É estar lá, é perceber. É dar de si.

É no fim de tudo ter reconhecimento, pelo momento, pelo ato, pelo amor corespondido. Amizade é estar puro, mesmo metido em merda até o pescoço, é fazer esforço pra se moldar, é não ter de se moldar completamente, é estar com quem se conheçe desde sempre, mesmo non estando com eles sempre, é não ter que fingir, aturar, é querer mais sempre.

É quando vocÊ não quer sair de um lugar, é quando você quer parar o tempo, é quando vc quer tirar aquela matéria inútil de física da sua frente pra aparar aquela pessoa que tá do seu lado.

É não precisar falar, só silêncio.

É não precisar dar abraço, é receber um abraço no fim da noite como recompensa... E se deixar abraçar de volta.



É amar, sem precisar falar que é amor.

segunda-feira, agosto 17, 2009

Mas fala



tiops, gentch, eu acho que falo inglês bem, mas vamos combinar, se eu non consigo fazer trava-língua nem em português, magina inglês? =O


Pra quem não tem PORRA nenhuma pra fazer, lá vai.

1. Módulo básico
Em português : Três bruxas observam três relógios Swatch. Que bruxa observa que relógio?
Em inglês : Three witches watch three Swatch watches. Which witch watch which Swatch watch?

2. Módulo avançado
Em português : Três bruxas “travestis” observam os botões de três relógios Swatch. Que bruxa travesti observa os botões de que relógio Swatch?
Em inglês : Three switched witches watch three Swatch watch switches. Which switched witch watch which Swatch watch switch?

3. E agora, para especialistas…
Em português : Três bruxas suecas transexuais observam os botões de três relógios “Swatch” suíços. Que bruxa sueca transexual observa que botão de que relógio Swatch suíço?
Em inglês : Three Swedish switched witches watch three Swiss Swatch watch switches. Which Swedish switched witch watch which Swiss Swatch watch switch?


OBS: u_u Eu non tentei. Tô requisitada hoje.

quinta-feira, agosto 06, 2009

Moving on. Setting you/me free.



Bom, coração despedaçado. Afinal, nunca é fácil se ver privada de um amigo.
Eu fui de novo naquela minha história do "confiar rápido demais" e "Se apegar mais rápido ainda".

Fiz tudo o que eu podia, ajudei o meu máximo.
Por você, eu chorei o meu pulmão fora.
Por você, eu defendi histórias que eu nem sabia todos os detalhes.
Por você, eu protegi.
Por você, eu amei.
Por você, eu sofri.
Por você, eu briguei.

Você nem sabe disso. Provavelmente nem vai saber, já que cortou laços comigo.
E por uma bobeira, diga-se de passagem. Já que, como você mesmo costumava dizer (triste referir a vocÊ no passado) "Quando eu amo alguém, não assumo um relacionamento, assumo a pessoa."
Eu me precipitei e assumi você rápido demais. Foi esse o meu erro.

Eu não costumo chorar.
Eu não costumo chorar muito.
Eu não costumo sentir saudades.
Eu não costumo demonstrar sentimentos em público.
Eu não costumo puxar assunto no msn só pra ver se vocÊ está escrevendo "de maneira feliz".
Eu não costumo chamar mais de 3 vezes a mesma pessoa.
Eu não costumo ter amigos fácil.
Eu não costumo ter medo de que alguém fira outra pessoa.
Eu não costumo ficar triste só de pensar em alguém triste.
Eu não costumo medir palavras pra não magoar.
Eu não costumo dar minha cara a tapa em prol de uma pessoa.
Eu não costumo colocar posts de pessoas em geral no blog.
Eu não costumo me despedir.
Eu não costumo deixar meus amigos irem embora.

Mas, infelizmente, até esse último vocÊ me fez mudar. Dizem que a gente só percebe que mudou depois que a mudança acontece.
Pensar em você hoje me deixa triste.
Pensar que eu te perdi, apesar de óbvio pra mim que eu o fiz, é meio que fantasiado... Não acredito muito nisso.

Mas eu te deixo ir.
Você é, oficialmente, livre de mim.
Você também dizia "Quando se ama uma coisa, deixe-a solta. Se ela voltar, ela te pertence realmente."

Você nem sabe, mas eu te protejo de longe, pq apesar de tudo, eu não consigo me desligar tão rapida e facilmente. Mas o tempo tira o incurável do centro da atenção, e em breve, se eu ver você na rua, talvez o meu coração não caia de novo. E meus olhos não molhem.
Que meu coração se remolde de concreto e meus olhos secam.
Essa é a prece que todo coração partido faz, na promessa de nunca se quebrar de novo.

Dói. Dói muito, mas assim como muita dor que eu já passei, passa.
E eu sigo em frente. Não planejo olhar pra trás tão cedo...
Talvez um dia você volte a minha vida, talvez não. Whatever.
I'll find eternity.


E seu aniversário tá chegando. 08/08/09.
Um dia que você já quis passar comigo. Me achei privilegiada, na hora...


Feliz aniversário adiantado, Marcelo.

sábado, agosto 01, 2009

My not so dear family




Um dia ruim não é nada. Tudo passa, é o que eu tento me dizer pensando forçosamente em Xico Xavier.
Assim como o dia de ontem passou. Vou postá-lo em breve, ou não.
Hoje, fatídicamente, eu fechei a porta do meu quarto (que, aviso logo, não está ali de enfeite.), e esse foi o meu grande erro.
Ela falou pra eu abrir a porta, me atolou de elogios, me deixando extasiada. Não suficientemente, ela me perguntou gentilmente se eu podia dar comida ao Bibias. Eu dei, mas na pressa de sair da presença dela, eu esqueci de lavar a vasília. Mais um ponto pro destino. Elogios novamente.
"Você não faz nada direito, que merda! Queria ver se você comesse numa vasília no quintal, ele é um Cachorro não um porco, me dá essa merda, nunca faz nada, e o mínimo que eu peço pra você ainda faz errado." E o show continua.
Eu só queria sair de lá. O mais rápido. Consegui.

Eu sinceramente não entendo qual o problema dela, de vez em quando ela dá esses pitis. Justamente quando eu non to fazendo nada, sinceramente, a única coisa que ela me dá bronca é pq cheguei atrasada. Quantas mães hoje podem se gabar disso? Quantas mães por aí com filhos viciados, bandidos, non queriam um dia somente poder se dar ao luxo que seu filho tá só atrasado?
Eu não faço nada errado. Eu vou pra escola, tento tirar notas boas, não importuno (mas ela diz que eu já levanto pertubando, pq eu me atraso pra me arrumar, e ela levanta e fica falando sem parar no meu ouvido... Não parece que sou eu que to importunando, né?), não machuco a criança (que por sinal eu non sou muito fã da espécie em miniatura), não machuco meu cachorro, ela manda, eu faço (me atraso mais eu faço) se ela não deixa, eu non faço, se ela deixa eu fico feliz.

Então ela me viu chorando. Disse "quem devia tá chorando sou eu! Se vocÊ tivesse uma filha que cagasse e andasse pra vocÊ! Você não faz nada, só reclama, só me agrada quando quer alguma coisa!" Bla bla bla mais meia hora.

E eu non posso fechar a porta. Pq ela decidiu que eu non posso. Eu tenho uma porta como um suvenier. Está aqui só pq é bonita, não tem utilidade.

É, realmente ela devia estar chorando... eu dou todos os motivos pra ela mesmo. Ontem na festa meu pai riu dela e eu defendi, quando minha tia reclama do cachorro (que ela tá esnobando por causa do pequeno ser) eu defendo ela, quando ela quer chorar e reclamar da vida, apesar de eu non saber como comfortar, eu ouço, e até choro com ela. Ela devia estar chorando, sou o pior erro que ela já cometeu. Só faço merda, realmente. Bebo, fumo, cheiro, me drogo, vivo na delegacia, dou em qualquer lugar, estou cheia de dst, grávida, assassino gente, roubo, atrapalho todos, chantageio. É, chora mesmo. Eu não presto, é só o que te resta fazer, né? Já pensou em reformatório? Devia ser bom lá. Não posso me atrasar lá. Eu já perguntei a ela como as pessoas conseguem se matar, ou se machucar pra esconder a dor. Ela falou "Eles tem mente fraca, sorte minha que você não tem" Mais um motivo pra ela chorar. Me corto todo dia.


Eu acho que o problema dela é como eu lido com a minha dor. Eu não sou explícita, não corro pra todos pra amenizar "meu calvário", e isso deve emputecer ela! Não me ter correndo até a saia dela pedindo ajuda pra lavar a mão, sempre. Muito difícil.


O único motivo pelo que ela deve chorar é que eu não vou mudar. Não mudei até hoje, agora é que non mudo mesmo. Chora, mas chora na cama que é um lugar quente.


E pra melhorar, eu fui pedir ombro amigo a um amigo que sempre esteve ali, e eu falei "Eu não pertubo ela, non machuco ninguém, non mecho com ninguém, não ando de vadiagem, non faço merda, vivo em casa e ela tá descontando em mim. POR QUE?!"
E ele respondeu "e vc tá descontando em mim pq?" Doeu. Até fiquei offline. Tudo bem, deu pra postar aqui. E eu pensando que o post dessa vez seria felizinho. A gente non pode se alegrar mesmo.

segunda-feira, julho 06, 2009

Não faz a santa, amada.





Traição.

Não trair é um dom, quase. É se deixar pra trás, e priorizar amigos. E isso é uma dádiva de quem observa ou quem SE IMPORTA em observar. Por que, te falo, tem gente que não vê por que não se importa.
Por mais que as pessoas digam que eu sou malígna, os poucos amigos (ou os considerados assim) que eu tenho, eu sempre penso neles primeiro. Às vezes o que eles querem está implicito, mas às vezes não. Ler nas entrelinhas é um dom.
Mas há casos, que não se leem. Não se importam, não se lembram nem o seu nome. É só o feromônio em ação e foda-se o mundo. Afinal, o que mais é necessário que 2kg de Jeans? Nada.
E nesse foda-se é que a pessoa se fode. Por que eu faço a Scarlett, queridinha. O ódio me consome, e eu entro em ebulição interna. Eterna. E você se foca pra não perceber mais nada, se foca mesmo que seja na sua dor. E vocÊ reza pra essa dor non passar nunca, por mais dolorosa que ela seja. É melhor que tacar a cabeça de alguém na parede... É mesmo?
Pq todo mundo corre de fazer o que dá na telha? As pessoas que ñ leem nas entrelinhas e não se importam de fazê-lo, sabem. E eu vou descobrir tbm, sabe pq?
Por que não se deve tratar como prioridade quem te trata como opção.
Pq existir é fácil, okay? Viver é que é raro. E eu vou viver, se eu quiser rir eu rio. Se não, vocÊ que chore.
Morgana me perguntou "Pq vc ainda atura isso, cara? Eu mandava tomar no cu." E eu sinceramente não sei, pq eu ainda faço isso?
E agora eu quero que se foda. Vo me jogar, aloka. Fazer a maluca, dar a cínica, ser a Scarlett.
Mudei pra melhor, e não fiquem alegres, é o MEU melhor, não o seu. E a partir de hoje, são apenas 3 pessoas cujas as entrelinhas estão na minha cara pra eu ler. E eu me importo com eles. Três únicas pessoas de quem eu sinto saudades. Três pessoas que me levam à Nárnia. Eles me mantêm no caminho. No meu caminho e me ensinam que o "foda-se você" é, às vezes, o melhor caminho a seguir. E eu obedeço sem pestanejar. Pq traição da parte deles nunca existiu. 4 anos. 3 anos. 4 meses, que mostram que não importa por quanto tempo... mas com qual intensidade.
Poucas pessoas sabem que o tempo não cura nada. E eu lembro. De tudo, desde sempre.



E esse texto, se torçer, escorre veneno.
Quem vê até pensa, quem é sabe.

sexta-feira, junho 26, 2009

Traço, sangue, cor, detalhe e alma.



Quando você começa uma coisa, sua mente ainda tá restrita.
Você ainda não pegou as manhas, as idéias, o "como".
Quando eu começei a desenhar, qualquer coisa pra mim ficava bom... Meu cérebro escolhia "mulher" e eu desenhava qualquer uma.
Mas com o tempo, e como todas as coisas, você começa a ficar cada vez mais exigente. Aos 7 eu não queria mais qualquer rabisco e tentava forçar meu traço cada vez mais preciso. Ele era muito marcado e pra apagar era horrível, mas eu só soube disso depois...
Aos 10 eu já tinha parado de tentar achar um objeto que projetasse no papel a forma que eu queria (usar liquidpaper pra fazer o contorno da cabeça). Minha mão ficou mais solta, e meu traço mais fino e leve.
Aos 11 uma amiga minha chamada Letícia que eu admirava por desenhar absmalmente bem, me deu a dica de não fazer um traço só, ir riscando até chegar aonde queria... E eu o fiz.
Aos 12 eu entrei no curso de desenho, sexta série e eu vendia uns desenhos que eu fazia pra meninas da sala, aprendendo técnicas e outras coisas que me encheram de felicidade por um tempo. Eu nunca fico satisfeita pra sempre, e acredito que ninguém o faça. Eu queria mais, muito mais, minha criatividade era constante e geral dos 12 aos 14, mas, quanto mais o tempo passava com mais preguiça eu ficava. Passei dos 15 aos 16 não desenhando nada, tendo pulsos de criatividade que não eram o suficiente pra terminar um desenho, passei a me acostumar a usar referência*.
Mas aos 16 eu começei a perceber o que é desenhar, e o que é ser desenhista.
O desenhista desenha pelo amor à arte, pelo amor à expressão. Quando você desenha, o mundo muda, você muda de mundo. Desenhar é se desligar do corpo carnal.
É você não ouvir o telefone tocar, é você não ouvir nem ver o msn piscar, é você não ouvir ninguém te chamar, a música parar, a música pular, é você não ouvir a música de jeito nenhum.
Descobri que eu não preciso desenhar todo dia o tempo todo pra treinar o traço, ele vem. O traço é como um vinho, com o tempo melhora.
Eu, como artista, tendo um coração feito de tinta, lápis, carvão, pastel, papel, caneta, cor, som, letras, tecido, linha, eletricidade, sentimento, natureza, furacão, cozinha, línguas, livros, filmes e um mundo puro só meu... Afirmo enfaticamente que o pior pro artista é, ainda mesmo que sendo assim, o seu melhor: Seu corpo.
Nada é pior a um artista que a restrição do seu corpo, nada pior que querer cantar mais que a voz aguenta, querer chorar mais que o coração suporta, querer ver mais que os olhos conseguem, querer ouvir o que nem o ouvido escuta... Querer desenhar o que não consegue sair da cabeça.
Você quer todos os detalhes, e foi isso que eu aprendi dos 16 pra cá. Eu não desenho muito hoje em dia, mas me deixo pensar que ainda desenho bem. Hoje meus desenhos são feitos de detalhes e eu tenho os detalhes dos detalhes na cabeça, guardados, e se não sair como eu quero... Eu quero explodir, gritar, chorar, me libertar dessa parede humana que paralisa a alma do artista.
Sua mente quer um traço que suas mãos meramente humanas não conseguem alcançar.
Ser artista é colocar sua alma no trabalho, e a alma independente de quem seja, é perfeita. Nada menos, nada mais. E o seu trabalho sendo menos que perfeito parece que aquela alma não é sua, é uma alma alheia, jogada ao vento, aos trapos, ao chão, ao corpo.
E pensando em me libertar da barreira que me prende sem a total utilização da alma, eu me perco no cérebro, aonde meus desenhos de juntam com ela, brincam, rodam, em sincronia, em perfeição, em traço, sangue, cor, detalhe e alma. Felicidade em erupção em mim, e mesmo que por um breve momento, eu sinto a complexidade simplificando, as mãos movendo, o mundo ao meu redor sumindo.
E sou só eu e eu mesma. Meu eu artista, meu eu completo, meu eu imaginariamente real, meu eu feito da pureza. Nada mais do que o prazer de se auto completar, de não precisar de mais nada. E eu estou feliz, imersa uma, duas, três mil vezes, que seja. Submersa... em mim.
... Em um mundo puro só meu.

*Referência, pra quem não sabe, é copiar um desenho, ou algo assim.

quarta-feira, junho 24, 2009

Contos de bruxas.




Pensando bem, a bruxa é injustiçada!

Já parou pra pensar nisso?
Tá, ela sempre tenta matar a princesa, mas ninguém sabe o que ela passou pra chegar alí! Vai que o Príncipe tirou a virgindade dela e depois largou ela? Naquele tempo isso era o fim...
Vai que ela é apaixonada pelo príncipe desde nova, mas não tem status pra casar com a realeza? Vai que ela espera o Príncipe desde nova e agora que ela não é mais bela ele não a quer mais? Vai que ela é lésbica e se apaixonou pela Princesa?
Vai que ela é a ex do Príncipe? Pensa bem, ser trocada por uma Princesinha-Bege é UÓ, Wanessa.
Não julguem a bruxa, mosada. Ela tem um bom motivo, você só não sabe disso.

Você tem seus motivos pra cometer suas maldades, bee, oquei?

reflitäm

sábado, maio 30, 2009

Gênero, número e grau.

Acho que dizem um pouco... Sem precisar falar muito.



É triste saber que um dia vou ver você passar e não sentir cada milímetro do meu corpo arder e enjoar. É triste saber que um dia vou ouvir sua voz ou olhar seu rosto e o resto do mundo não vai desaparecer. O fim do amor é ainda mais triste do que o nosso fim.
(Tati Bernardi)


Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar era fácil.
(Clarice Lispector)


A maturidade me permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade e querer com mais doçura.
(Lya Luft)


As cicatrizes fazem parte da minha história, me relembrando sempre, o fato de que aquilo que não me mata, só me fortalece.
(?)


É muito cômodo para um homem chamar uma mulher de vagabunda, do que ele se assumir um incompetente.
(?)


O tempo passou, eu continuei acordando e indo dormir todos os dias querendo ser mais feliz para ele, mais bonita para ele, mais mulher para ele. Até que algo sensacional aconteceu. Um belo dia eu acordei tão bonita, tão feliz, tão realizada, tão mulher que eu acabei me tornando mulher demais para ele.
Ele quem mesmo?
(Tati Bernardi)


Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo, é renovar as esperanças na vida e o mais importante, acreditar em você de novo.
(Carlos Drummond de Andrade)


E com o tempo fiquei mais seletiva, aquelas amizades fúteis que eu tinha já não me interessam mais, as músicas ruins não me completam e o amor, o amor só se for real.
(?)


Eu sou um pouco de solidão um pouco de negligência, um punhado de reclamações. Mas eu não posso evitar o fato de que todos podem ver essas cicatrizes.
(8) Faint

quinta-feira, maio 21, 2009

Geração wireless


Que geração é essa?

Geração wireless, geração futuro-a-vista, geração etiqueta-mais-cara-que-a-roupa-em-si, geração minha-família-não-presta-só-eu, geração me-importo-mais-com-aquele-músico-desconhecido-do-que-com-minha-irmã, geração sexo-é-nada, geração amor-é-bom-dia, geração tudo-é-comprável, geração-todos-tem-seu-preço, geração i-don't-care-at-all, geração pra-que-humanidade?, geração pra-que-árvores?, geração sou-sábio-mas-não-sei-nada, geração não-vejo-jornal-pq-é-chato, geração não-leio-NADA-pq-ler-é-chato, geração bulímica, geração beleza-acima-de-tudo, geração beleza-distorcida-com-vulgaridade, geração que-beleza?, geração que-beleza-hein..., geração ser-sensível-é-brega, geração distorção...

Geração? Aborto nacional. Aborto mundial! Aborto mental, espiritual. Aborto humano.

As linhas da padronização da beleza a muito passaram de vulgaridade. Ser vulgar hoje em dia, é recato. Não há nomenclatura encaixável nesse tipo de gente peranbulante por aí, que não lembra mais que o efeito do que é "não visto" é muito mais impactante que a normalização do que deveria estar tampado. A desvalorização da mulher está em alta nessa estação, e rezamos pra que a próxima haja um CRUSH nessa "bolsa de horrores"

Manchete no jornal: "Crush é tendência mundial!" mas o jovem não quer ler. Nem saber. "Se fosse importante mesmo saia na internet" E se o avô ou avó tenta alertar... tenta lembrar, que ainda há meios, sem freios o jovem dispara, "Ah, vó, pára!" E eles param. Pararam desde muitos anos, fizeram mais que o suficiente pelo Brasil, digo-lhes com fervor.
Mas os netos não se dão ao mesmo louvor, eles só querem saber de amor, não o amor de antigamente, o amor de hoje não é inocente, e é inconsequente. Quem ama hoje não amaria ontem, pois esse amor é tão válido como uma nota de três reais. Tão valioso quanto.

Mas se fossem no ontem, esses netos tomariam esses avós como exemplo e lutariam pelo seu futuro como foi feito antigamente. Nos tempos da ditadura, esses avós eram lutadores.
Pintaram os rostos, e sairam as ruas caminando e cantando e seguindo a canção. Tanto fizeram que conseguiram. E com o famoso "impeachment", derrubaram o Collor...

Tá, tá certo, há uns 3% dos jovens que ligam pra tudo isso. Mas, quem dá voz hoje em dia a "três por cento"? Ninguém. Ninguém deu voz aos seus avós tbm! Eles eram 100%? Não, mas se fizeram ouvir. MESMO QUANDO NÃO SE PODIA SUSSURRAR!

E hoje, pelo o que lutam nossos jovens? Lutam por um mp3 melhor, com tanta guerra. Por uma melissa mais cara que a da coleguinha de classe, com tanta poluição. Por umas marca mais famosa que a outra, com tanta pobreza e efemeridade no mundo!

E aqueles 3%? Lutam. Pelo que, eu acho que a maioria não sabe. Perdido nessa guerra de interesses, rostos feitos de vidro ou qualquer coisa que reflita não o brilho do olhar do que é ouvido, não mais. Refletir a sí mesmo, é claro. Pra que outra pessoa no mundo?

Hoje eu fiquei sabendo que haverá uma CPI sobre a petrobras, e quem vai dirigir é... o Collor.
Aquele Collor que roubou milhões, aquele Collor que foi tirado do poder, AQUELE Collor que seus avós lutaram TANTO (e muitos avós morreram lutando) pra tirá-lo de lá! Por que ele não queria aquela vida pra você.

E hoje está você, cada vez mais "consciente" do seu dever público e político (mas que nada faz a respeito), mergulhado em tecnologia, rodeado de rótulos, esquecendo tudo o que o seu país passou, por que sua pouca visão está focada no futuro. Tudo o que passamos pra que você estivesse mergulhado em tecnologia... Tudo o que eles passaram por você.

E esse é o seu retorno...
Geração Que-beleza, hein. Que beleza, hein, geração.

É, o zé povinho não tem memória.

quarta-feira, maio 06, 2009

Os meus moinhos de vento


Idéias são fáceis de se ter. De se fazer, pode até dar um trabalho, mas é fácil também.
Idéias só são difíceis quando não se tem com quem falar sobre. Vou ser franca, sem querer me gabar ou qualquer coisa assim, mas eu nunca passei por isso. Não sei se devido ao fato de eu geralmente conversar de tudo com todo mundo...
De uns tempos pra cá, basicamente em 2008, eu vi que nem todas as pessoas servem pra todos os tipos de assunto. Eu sirvo, falo falo falo até demais, adoro assuntos novos, ouvir pontos de vista de outra pessoa abrindo aquele seu horizonte pra novas idéias e conceitos. E isso meio que me deu um "bam" tipo "não acredito que eu achava isso desde sempre!". Por que, vamos combinar, eu sempre achei que as pessoas fossem, de certo modo, "encaixáveis" em qualquer tipo de conversa/assunto.
Mas depois de bater de frente com gente que eu acreditava muito menos que existiam do que conto de fadas... Aquelas pessoas que só tem olhos pra uma opnião e se você não falar aquilo você é um asno, afinal pra ela só a opnião dela é válida. Como aquela viseira que o cavalo usa pra enchergar só a frente do caminho, o que com essas pessoas nem sempre é pra frente que elas estão focadas ;)
Anyway, esse "bam" foi, well, um "bam", oras. E nesse meio tempo me surgiu a necessidade de encontrar pessoas com as necessidades com a validade de expiração rapidas como as minhas, o que me deixou com o pensamento em mente de que quando se trata de novidades e idéias que precisam de apoio, aquele negócio de 'posso contar meus amigos em uma mão só e ainda sobrar dedos" não é tão fake assim.
Pra conclusão (?) ou explicação melhor, só deixo uma mensagem de sos a quem quer se encaixe no perfil de validade.
Na verdade, não.
Já me virei antes, não foi? Por que não mais dessa vez?
Em 2008 eu também percebi que idéias não são contáveis em alto e bom som, se você me entende. Como aquele outro clichê, paredes REALMENTE tem ouvidos.
E digo mais, doismileoito foi um ano de crescimento, realmente

Todo mundo tem seu ano de crescimento, então, obrigada 2008. Eu aprendi muito.

quarta-feira, abril 15, 2009

Arnaldo Jabour - Mulheres Modernas


Você homem da atualidade, vem se surpreendendo diuturnamente com o “nível” intelectual, cultural e, principalmente, “liberal” de sua mulher, namorada e etc.
Às vezes sequer sabe como agir, e lá no fundinho tem aquele medo de ser traído - ou nos termos usuais: “corneado”. Saiba de uma coisa… esse risco é iminente, a probabilidade disso acontecer é muito grande, e só cabe a você, e a ninguém mais evitar que isso aconteça ou, então, assumir seu “chifre” em alto e bom som.
Você deve estar perguntando porque eu gastaria meu precioso tempo falando sobre isso. Entretanto, a aflição masculina diante da traição vem me chamando a atenção já há tempos.
Mas o que seria uma “mulher moderna”?
A princípio seria aquela que se ama acima de tudo, que não perde (e nem tem) tempo com/para futilidades, é aquela que trabalha porque acha que o trabalho engrandece, que é independente sentimentalmente dos outros, que é corajosa, companheira, confidente, amante…
É aquela que às vezes tem uma crise súbita de ciúmes mas que não tem vergonha nenhuma em admitir que está errada e correr pros seus braços…
É aquela que consegue ao mesmo tempo ser forte e meiga, desarrumada e linda…
Enfim, a mulher moderna é aquela que não tem medo de nada nem de ninguém, olha a vida de frente, fala o que pensa e o que sente, doa a quem doer…
Assim, após um processo “investigatório” junto a essas “mulheres modernas” pude constatar o pior:
VOCÊ SERÁ (OU É???) “corno”, a menos que:
- Nunca deixe uma “mulher moderna” insegura. Antigamente elas choravam. Hoje, elas simplesmente traem, sem dó nem piedade.
- Não ache que ela tem poderes “adivinhatórios”. Ela tem de saber - da sua boca - o quanto você gosta dela. Qualquer dúvida neste sentido poderá levar às conseqüências expostas acima.
- Não ache que é normal sair com os amigos (seja pra beber, pra jogar futebol…) mais do que duas vezes por semana, três vezes então é assinar atestado de “chifrudo”. As “mulheres modernas” dificilmente andam implicando com isso, entretanto elas são categoricamente “cheias de amor pra dar” e precisam da “presença masculina”. Se não for a sua meu amigo… bem…
- Quando disser que vai ligar, ligue, senão o risco dela ligar pra aquele ex bom de cama é grandessíssimo.
- Satisfaça-a sexualmente. Mas não finja satisfazê-la. As “mulheres modernas” têm um pique absurdo com relação ao sexo e, principalmente dos 20 aos 38 anos, elas pensam em - e querem - fazer sexo todos os dias (pasmem, mas é a pura verdade)…bom, nem precisa dizer que se não for com você…
- Lhe dê atenção. Mas principalmente faça com que ela perceba isso. Garanhões mau (ou bem) intencionados sempre existem, e estes quando querem são peritos em levar uma mulher às nuvens. Então, leve-a você, afinal, ela é sua ou não é????
Nem pense em provocar “ciuminhos” vãos. Como pude constatar, mulher insegura é uma máquina colocadora de chifres.
- Em hipótese alguma deixe-a desconfiar do fato de você estar saindo com outra. Essa mera suposição da parte delas dá ensejo ao um “chifre” tão estrondoso que quando você acordar, meu amigo, já existirá alguém MUITO MAIS “comedor” do que você…só que o prato principal, bem…dessa vez é a SUA mulher.
Sabe aquele bonitão que, você sabe, sairia com a sua mulher a qualquer hora. Bem… de repente a recíproca também pode ser verdadeira. Basta ela, só por um segundo, achar que você merece…Quando você reparar… já foi.
- Tente estar menos “cansado”. A “mulher moderna” também trabalhou o dia inteiro e, provavelmente, ainda tem fôlego para - como diziam os homens de antigamente - “dar uma”, para depois, virar pro lado e simplesmente dormir.
- Volte a fazer coisas do começo da relação. Se quando começaram a sair viviam se cruzando em “baladas”, “se pegando” em lugares inusitados, trocavam e-mails ou telefonemas picantes, a chance dela gostar disso é muito grande, e a de sentir falta disso então é imensa. A “mulher moderna” não pode sentir falta dessas coisas…senão…
Bem amigos, aplica-se, finalmente, o tão famoso jargão “quem não dá assistência, abre concorrência”.
Deste modo, se você está ao lado de uma mulher de quem realmente gosta e tem plena consciência de que, atualmente o mercado não está pra peixe (falemos de qualidade), pense bem antes de dar alguma dessas “mancadas”… proteja-a, ame-a, e, principalmente, faça-a saber disso.
Ela vai pensar milhões de vezes antes de dar bola pra aquele “bonitão” que vive enchendo-a de olhares… e vai continuar, sem dúvidas, olhando só pra você.

Hurricane



Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2009


"Há males que vem pra bem" Na cadeia.
Não há mais o que falar, nem sentir, quero letargia imediata. Direto nas minhas veias.
Não busco mais nada, parei no vendaval e o máximo que posso fazer é me deixar arrastar, cansei de lutar contra o vento.
Não deixo me levar, não há pra onde ir. Para onde vão todos os furacões afinal?
É um lugar distante, aposto. Vazio e calmo, espero.
Não, não espero mais nada. Esperar traz frustração e eu quero inércia. Letargia. Desejo infinitamente um nada tão profundo que seja tudo pela eternidade.
Desejo mais. Qualquer coisa, uma mudança ínfima que seja.
Alguém novo, um lugar novo.
Qualquer coisa, eu imploro!
Eu to tão cansada... Quando acaba? Isso passa?
Alguém! Por favor, me diz.
Meu cansaço não é físico, entenda. Antes fosse. Eu estaria rindo horrores agora.
É mental. Minha mente, meus sentimentos estão tão machucados... tão doloridos...
Eu to tão saturada.
Eu to saturada dessa mesmisse, eu penso "vai melhorar" só piora, só levo, nunca recebo...
Espero demais dos lugares já secos... Nada acontece.
Eu to cansada de me esforçar pra ser melhor, cansada de sorrir mesmo querendo ficar inerte. Mas eu já to tão acostumada qu eu posso tá morrendo eu vou dar um sorriso só pra vc não perguntar o que é.
Não aguento mais.
Pq mesmo quando eu acho que não sinto mais nada, ainda dói? Não do mesmo jeito que doía, mas por saber que não mudou! Nada muda, é a mesma coisa sempre, como se eu estivesse vivendo o mesmo dia TODOS OS DIAS, onde eu viro?
Eu estou andando em círculos e eu não aguento mais, dá vontade de sentar no chão e chorar, só chorar... por nada. Por tudo. Só deixar ir. Mas chorar não passa. Não passa! ISSO NÃO PASSA, eu não aguento mais. To perdida e nunca me acho. Qq eu tenho de errado? QQ eu fiz de errado? Como eu mudo? Eu quero parar, eu quero sentir uma diferença qualquer... só uma. Eu quero mudança.

Chega de moral da história. Tanta moral e nenhuma vida?
Acabou, namoral. Tudo. Qualquer coisa. Acabou.
Dia do "nunca mais" pra mim.
Há pedaços de mim em ruínas, destruição é necessária. Chega de bancar a restauradora e tentar salvar o resto.
Não que ainda a tivesse alguma coisa sobrando... em mim...
Mas, eu vou aparar até as pontinhas desfiadas.
Não aguento mais. Não aguento mais. Eu não aguento mais.


Eu imploro, pra quem quer que seja responsável por esse setor na vida...
Please, i beg, changes.
I can't take this anymore.

Comodismo e o medo de falhar.


Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009



Why?

Por que esse medo do desconhecido? Eu sei, é o comodismo. O que devemos evitar é nos acostumarmos com o que está ao nosso redor... Não se deixe influenciar por uma paisagem falsamente eterna e calorosa, há o furacão do imprevisível que destrói aquela névoa de conformidade e calmaria.
É tudo passageiro. Deveriam nos ensinar desde crianças, em vez de cossenos e cossecantes, que a única coisa permanente é o nosso consciente. Aquela famosa massa cinzenta que aprendemos a chamar de eu, que fala conosco quando estamos em silêncio, que nos lembra se há aniversários, festas ou compromissos, que nos acorda todo dia... Parece até um amigo invisível, estranho, né?

Não deveríamos confiar somente nela? Nada é perfeito e tudo há duas metades que se completam... Yin e yang, bem e mal, preto e branco, forças opostas que aparentemente não existem. Mas existem. São como feitiços, invisíveis, mas reais. Não é ver pra crer, a questão é crer pra ver. Apesar de muito confiável, ela nos prega peças. Nunca se esqueceu de algo importante?
A questão é largar mão da dependência dessa névoa. Encarar os fatos, por mais amargos que eles sejam... É olhar pro lado e dar de cara consigo mesmo. Pra depois não passar pela fase do medo. Medo desse blackout à sua frente. Antigamente eu olhava pra frente e via mais um ano escolar. Agora eu olho pra frente e não vejo nada. É como andar numa estrada e dar de cara com um túnel.

Eu sinceramente não sei o que fazer diante do imprevisto. Mas é vivendo um dia após o outro um pé depois o outro, numa marcha eterna de pés descalços, porém firmes. Você pisará em pedras afiadas, mas a dor é sinal de aprendizado. Pense na sua vida como a fábula dos sapos. Esqueça as cobranças, lembre-se que independente de quem ta cobrando você, você não pode seguir um caminho de outra pessoa.
A vida é feita é feita de escolhas, isso é certo. Caminho eternamente bifurcado. Estradas de fractais. Não se preocupe em escolher o caminho certo, escolha um e faça dele a escolha certa. Ache poder pra isso.

Resolvi não temer mais o imprevisível, ruim é esperar o caminho vir até você. Ande independente pra onde. Se você errar e andar em círculos, você vai aprender com esse erro e quando voltar ao ponto inicial vai saber aonde errou. O importante é tentar. Tente mesmo que falhe. Falhar é bom.
Esqueça o comodismo, você não achou que ia durar pra sempre todo esse castelo que sua família e seus amigos construíram pra você, achou? Eu sei que você achou, eu também achei. Mas agora foi o momento que eu vi que esse castelo era feito da mesma névoa... :/ Irônico, não? Me pareceu firme pra resistir a todos os furacões e agora que eu estava acostumada a ele, ele some. Num passe de mágica.
Ele não era tão firme assim. Como a primeira casa dos três porquinhos, esse foi feito de palha. Com um sopro ele se foi, agora eu cato outro material. Em breve eu construo um de concreto. E nele passarei o meu conto de fadas interior. Eu, eu mesma e minha massa cinzenta.

"So fail. Be bad at things. Be embarrassed. Be afraid. Be vulnerable.
Go out on a limb or two or twelve. You will fall, and it will hurt.
But the farther you fall, the higher you will rise. The higher you rise, the clearer your future becomes.
Failure is a gift, welcome it.
There are people who spend their whole lives wondering how they became the people they became, how certain chances pass them by why they didn’t take the roads less traveled.
Those people aren’t you.
You have front row seats to your own transformation and in transforming yourself, you might transform the world.
It will be electric, and I promise it will be terrifying.
Embrace that; embrace the new person you’re becoming.
This is your moment.
I promise you, it is now, not to two minutes from now, not tomorrow, but really now.
Own that, know that deep in your bones, go to sleep every night knowing that, wake up every morning remembering that, and keep going."
Jack & Bobby.

Profile.


Domingo, 25 de Janeiro de 2009


Se eu fosse fichada, seria assim:

Eu sou eu, ou pelo menos estou nesse caminho. Eu não gosto daqueles que usam “aquela ”, eu sou essa. É provável que a maioria das pessoas que estão nesse Orkut, não me conheçam bem. É preciso conviver pra conhecer, mas muitas vezes conviver não basta, é preciso prestar atenção.
Eu sou alérgica a amendoim, odeio calor, perfumes doces, desodorantes que não sejam de aerosol. Não gosto que mintam pra mim, nem escondam nada de mim. Gosto de animais estranhos, como girafas, cabras e llamas.
Adoro ficar na rua até amanhecer, não gosto de vizinhos. Não sou muito aberta a conversas com conhecidos. São poucos os amigos que eu chamo pra todos os lugares. Adoro a noite, a calma que ela traz. Tenho o gosto muito estranho e prefiro os diferentes, não gosto dos malhados e metidos a elenco da malhação. Por falar nisso, odeio a malhação.
Não gosto de TV aberta, não vejo TV. Não gosto de filmes de ação, pra falar a verdade, eu só vejo terror e suspense. Odeio comédia pastelão... Se eu quisesse ver isso, assistia Didi. Romance às vezes vai. Gosto de ler de tudo.
Gosto de sair, andar de ônibus, trem, bonde, qualquer coisa. Gosto de não fazer nada e ficar jogando conversa fora. Odeio chuchu, vinagre, azeitona, mortadela e acho chocolate branco insoso demais. Acho girassóis e rosas feios, prefiro tulipas e orquídeas. Adoro gatos. Cachorros babam muito e são muito dependentes. Sempre quis ter um furão e/ou uma coruja. Um é ilegal o outro é muito caro, então eu tentei esquecer, mas há uma certa frustração.
Gosto de jogos de tabuleiros. Amo mitologia, astronomia, astrologia, história e línguas. Acredito em destino, mas acho que você deve ter metas. Gosto de desenhar, e desenho bem, só tenho preguiça. Odeio ser forçada a fazer qualquer coisa. Odeio perder, mas já aprendi a me focar. E eu sei que nem sempre os meios justificam os fins, mas uma grande parte deles, sim. Eu costumo ouvir de tudo, a letra e a melodia me influenciam bastante.
Gosto de mudar sempre, nem que seja a meia. Não gosto de me olhar no espelho, nem de tirar foto. Pouco gosto de música brasileira e mesmo assim só as antigas.
Acho escroto comprar roupa por causa de marca, foi-se o tempo que marca pesava pq tinha qualidade. Tenho um gênio bem difícil. Tenho demorado mais a confiar nas pessoas, aprendi na pura raça que confiança é uma coisa muito grande pra ser depositada em qualquer um. Aprendi a ser o mais sincera, você recebe aquilo que você dá.
Não se pode ter tudo, mas se deve lutar até o máximo. Sou muito indecisa, e descobri que duas pessoas me acham meiga e doce. (o_o pois é.)
Sou egoísta, teimosa, sensível, temperamental, observadora, a minha timidez é escondida pelo o que sou na maioria do tempo: Extrovertida. Tenho impulsos conflitantes, preciso fazer na hora. E as idéias mais legais e loucas vêm numa hora onde eu geralmente não posso por em prática. Tenho tendências a ser perfeccionista, e delicada... Nada cientificamente provado. Gosto de lealdade.
E se eu ver pegando fogo, deixa queimar, quero mais é fogueira acesa.

Do I Handle?


Domingo, 11 de Janeiro de 2009


Here's the thing: Gosto muito de todos, "me abro" facilmente, costumo usar sempre o meu humor (que muito gente pode não apreciar), ajudo quando pedem, tô sempre alí.
O problema é que eu quero de volta. E quase nunca volta.
Eu sempre (eu disse SEMPRE) penso em alguém quando vou pra algum lugar, ou vejo algo muito legal. Algo que me lembre essa pessoa, uma banda, um cd, um destino... Mas, nem sempre se faz o mesmo.
Então aqui vai, depois de muito matutar, engolir, extravasar (sozinha), guardar, lembrar, remoer, eu finalmente descobri: Talvez não sejam os outros o problema, talvez seja eu e essa "bondade" plus "boa vontade" perante os do meu círculo íntimo.
E eu resolvi que pretendo fazer o mesmo, por mais que doa no caminho lembrar o por que de eu estar fazendo isso, uma hora passa afinal nada é pra sempre. Sem "mas", sem mais boas vontades. Quer? Pede. E mesmo assim eu vou pensar bastante antes de considerar alguém, melhor sozinha que frustrada.
Às vezes me pego pensando se eu tivesse uma casa na França, se as pessoas se jogariam ao meu pé só pra ir junto... o_o Consigo pensar num número considerável.
Espero que o ano de 2009 traga pessoas do mesmo jeito que eu, que dão tudo de si... Pq assim eu não vou dar de cara na porta.
Então vou fazer do meu twothousandandnine um ano de mudanças. Começei bem, só onze dias pra primeira. E dessa vez eu non vou explanar o que é, além de "dar azar", quero ser mais reservada.
Pq eu não aprendi a guardar nada pra mim? Pq eu convivi sempre com muitos amigos, e eu sempre me apoiei neles pra tudo, e essa é minha fraqueza.
Resolvi que é hora de ficar um pouco mais forte, viu que vai cair, SE JOGA. Nada mais de segurar no coleguinha do lado. Ninguém se apóia em mim, por mais que eu goste de segurar quem está ao meu redor e deixo isso bem claro, hein.
E eu descobri que ninguém faz isso, e por isso eu percebi que muitas pessoas ao segurar nos meus ombros me arranham e non percebem, pois bem, arranhem a vocês mesmo agora.
Pode parecer controverso, mas querer ficar sozinha as vezes non deve machucar tanto quanto ser deixada sozinha quando você acha que tem companhia.
É engraçado como as pessoas mudam tanto... E eu mudo também.
Cansei de ficar esperando. ESPERAR SUCKS. Vai lá e faz! Se falhar, vai dar orgulho porque você tentou. BE PRIDE. Não rebaixe-se. u_u
Esse post é autoexplicativo, se não entendeu... Não me pergunte.

Beijocanseideesperavocêligar (t) (k)

Make Sense



Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009


Bom, é de praxe agora, começo do ano, o povo fazer listinhas pra seguir (Ou pelo menos tentar) nesse ano. Por que tudo dá tempo ainda. Enfim, tudo isso.
Eu não vim pra postar a lista, muito pelo contrário, pretendo NEM FAZÊ-LA! Quero menos planos pra mim, quero sair pela rua sem rumo. E eu quero que os meus pés não me guiem, eu já sei pra que lado da ponte eles vão... E eu não costumo achar muito o que preste nesse beco sem saída. Literalmente falando.
Mas, isso é falta de melanina passada. Voltando ao futuro (?) : Eu não quero planos, como já bem disse. Planos acabam com tudo, por que se você falhar vai vir a frustração. E esse é o pior sentimendo que você pode sentir, vai por mim.

Quero me perder, perder a noção do tempo, mas quero que isso se dê pela minha felicidade. Quero achar um caminho, não quero que seja o caminho que alguém deseja pra mim, quero que seja um caminho que me deixe feliz.
É somente isso que eu quero pra doismilenove e pra qualquer outro ano.
Independentemente pra onde eu siga, com quem eu vá, quem eu perca no caminho, quem se junte ao meu pouco nexo, quem tente me bandar, eu quero acabar feliz. Não que eu seja feliz 100% do tempo pelo caminho, mas eu aceito uns 70%... O que ainda, pra algumas pessoas vai soar muito, mas a felicidade é viciante, se você prova uma dose alta não vai querer abaixar a dose nunca mais e quando a dose acabar a tristeza vai ter dosagem dobrada, ocupando a porcentagem que sumiu de felicidade plus a tristeza que já lhe é normal. Então, eu aceito ser feliz numa dosagem pequena pelo caminho, mas eu quero que o meu final seja completo (: Não importa aonde eu caia, levantar é o passo seguinte. Não importando se você se arraste ou engatinhe por um meio tempo antes disso.
E eu desejo isso pra todos em 2009. Bem-vindos ao novo ano, pessoas. De acordo com o mundo, temos muito o que concertar, já que não podemos voltar atrás das nossas ações. (Ctrl-z pessoal, JÁ!)

Mas é aquela história... Antes de consertar o mundo, dê 3 voltas dentro da sua casa.
Ache-se primeiro pra depois achar o mundo, mas pra isso é preciso procurar-se.
Já me procurei tanto, acho que só vi a ponta do iceberg... Eu não sei quanto mais fundo ainda vou na toca do coelho mas se a toca passar pelos meus caminhos, eu entro. Mergulho de cabeça, caço o que puder, e saio de lá mais feliz que quando eu entrei.

Life is made of choices. But i choose not to choose. I choose something else, i choose to life.
And if you ask me "what about the reasons?" What reasons, my dear friend? There are no reasons.
Reason is just a choice to make sense to somebody else.
And you know, deep inside, that in the end sense, reason and others people means nothing at all.

Bem-vindo ao 2009 dos SEUS sonhos, só falta você se dar ao trabalho de fazê-lo. Aproveite que ele ainda tá em fase de modelagem.

Beijomeliga (t)(k)

Fases - Fatos que marcaram épocas.



Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008


Já me peguei pensando nas fases que me definem, a cada momento (de variação de tempo indefinida) se aprimora uma coisa.
Eu lembro da primeira vez que eu ganhei dinheiro... Devia ter uns cinco anos, pra comprar ficha de flip pro jack (I'm so good.) Mais a frente, a primeira vez que eu entrei no ginásio. Quinta série? Eu me sentia a veterana. A primeira vez que eu usei fichário, a primeira vez que eu fiquei de recuperação, a primeira briga.
E duas coisas que o meu ginásio não me deixa esquecer são: O meu primeiro amor, e a minha primeira calça jeans. O primeiro amor, como sempre, platônico... Avassalador - Hoje em dia eu olho pra cara do indivíduo pensando "você já teve dias melhores, meu amigo." Junto com o meu primeiro amor, veio a minha primeira grande decepção. A minha amiga, saiu com ele. Nessa época, só de falar em beijo na boca, eu já ficava toda arrepiada, de pensar no fulaninho minha barriga se enchia de borboletas. Então, imagine você, o que é sua melhor amiga (aquela que está um passo a frente de todas as fases) parar no meio da escada do grande Apollo 12, no primeiro sinal, quando todos estão tentando subir ao mesmo tempo, mandar na sua cara que saiu com o seu affair de travesseiro? Resulta em dois meses sem se falar, com a fulaninha chorando pelos cantos.
Mas a primeira calça jeans foi mais marcante ainda. Pq, na minha visão ginasial (?) só o médio, e meninas sinistras usavam calça jeans. (Não me pergunte pq.) Até aquele momento, eu só usava short (horrendo, diga-se e passagem)... Mas quando eu botei aquela calça, cresci 2 anos mentais. (Ainda tava afim do meu affair de travesseiro, e minha amizade com a fulana vai capengando até hoje).
Minha primeira vez matando aula, foi para - PASMEM - fazer o trabalho da aula seguinte. Mas nunca faça isso, quando vc é da sexta série, seu irmão estuda com vc, e vc non avisou a sua outra colega de grupo (que tbm é sua amiga). Resulta em quando vc voltar pra escola, ser recebida pela coordenadora no portão, falando que sua mãe tá no telefone LOUCA atrás de vc pq "ela te colocou na van e você FOI pra escola", sua amiga sentada chorando e seu irmão andando de um lado pro outro, vermelho que só, na secretaria. Ouvir um "a gente conversa em casa" tbm não é nada mara. Mas pelo menos vc levou 10 no trabalho. xD
Meu primeiro beijo, foi marcante tbm, mas non de um geito bom. Meu affair de travesseiro estava com os dias contados, e eu já tinha passado do meio da sétima série. E se vc está pensando "nossa, sétima? eu beijei na quinta" filho, não há ogum que me faça correr mais que os meus pés conseguem. Sabe beijo batedeira? Não, não é aquele que te deixa toda tremendo. É aquele que a língua do meliante é frenética, estilo britadeira. O ruim foi que: todas as minhas amigas viram, e o menino-mala gamou, e queria de novo. Britadeira remix, versão estendida com moì? Never!
Meu primeiro perdido, colou. Cola até hoje.
Meu primeiro amasso, foi ótimo. hahaha. Como todos os outros que vieram em seguida.
Meu primeiro namoro, foi estranho: Falta de comunicação.
Minha primeira mentira sendo descoberta, foi catastrófica. Prometi nunca mentir novamente. E estava mentindo sobre isso tbm.
Meu primeiro término foi horrendo: Jamais cheguei a ouvir o término.
Meu primeiro amasso em público foi ótimo, e contrangedor. Além de eu non ser mto de fazer algo em público, eu não vi as pessoas chegando.
Meu primeiro show, meu primeiro sushi, meu primeiro ob, meu primeiro chupão, meu primeiro oral (que foi, nunca viu? ò.o), meu primeiro flerte, meu primeiro choro em público, minha primeira viagem, meu primeiro encontro às cegas, minha maior decepção, minha primeira dependência, a primeira ausência de alguém querido, a primeira vontade incontrolável, a primeira bebedeira, a primeira noite fora de casa... Tantas fases, algumas non estão aqui, outras é melhor nem comentar... O que acontece, acontece mto rápido, vc só vê aquela fase alí, tão nítida, quando ela já foi. É importante não andar mais que o corpo permite. Se não conseguir fazer tudo, faça tudo que puder.
O que você vai contar pros seus netos? (;

Você.



Terça-feira, 30 de Setembro de 2008


Derrepente senti como se não conseguisse mais ficar em pé, meu mundo caiu e eu quis muito você por perto... mas sem precisar contar nada, só a sua voz me falando que ía passar.
Talvez eu me alcamasse. Meu ar faltou e eu senti pela primeira vez em 2 anos um desamparo não usual. Me senti insegura... mais insegura que o normal. E não tinha nada a ver com o meu físico.

Me lembrei de como você sabe observar melhor quando a raiva me domina, e era isso que tava acontecendo agora.
Percebi que além de minha melhor amiga você é meu porto seguro, e mesmo que às vezes eu tenha raiva por você não estar por perto é só contigo que eu posso contar.
Eu tenho plena certeza disso. Ainda mais agora, depois do ocorrido.

Eu te amo tanto que dói. E amo o jeito como você me trata tão protetoramente.
O jeito como você me conhece tão bem, melhor que eu muitas vezes... Que sabe o que se passa por mim mesmo que eu não tenha falado.
Com você eu não preciso falar. Um olhar já basta, eu sei. Eu conheço o modo como você me conheçe, como você me analisa, como você me incentiva.
Você me faz bem. Mas do que bem, você é o remédio das minhas doenças mais incuráveis.
Sem você por perto eu me sinto só.

Quando eu choro, como agora, eu lembro de você, pq eu sei... simplesmente sei que mais ninguém vai levar certos assuntos com tanta seriedade...
Por favor, não me deixe sozinha nunca. Eu não saberia andar sem você.
Eu sei que por mais forte que eu pareça, por mais que eu tente parecer... você conheçe os meu pontos fracos, até os que eu ainda não percebi.

Você é minha ilha. Você é meu último recurso.
A sombra aonde eu me deito, vc é o único lugar a salvo da tempestade pra onde eu sei que eu sempre posso correr...
Vai sempre ter sol e calmaria lá.

Capricorniana




Segunda-feira, 29 de Setembro de 2008
Capricórniana

Capricórino é um signo difícil de se lidar. A maioria é calado, autoritário, orgulhoso, inteligente e pode até não parecer, mas tudo isso numa pessoa é uma mistura bombástica. Mas apesar de tudo, capricórnios são calmos, alegres, observadores, engraçados, amigos, companheiros, conselheiros, confidentes, intuitivos, e muitas outras qualidades. Mas só se vê o outro lado do arco-íris se você souber como atravessar pra achar o pote de ouro. Não são todos que conseguem ver tudo isso num capricorniano.
Muito menos numa capricorniana em particular (Muito obrigada, morgana). Capricornianas, uma em particular, são aquele tipo de pessoa que você não acha em muitos lugares. Essa capricorniana não é chegada em conversas com estranhos, a menos que ela tenha falado você. Mesmo assim, não estique muito a conversa por mais que você queira saber tudo sobre ela, elas não são chegadas em assuntos muito longos... Preferem assuntos corridos acompanhados de muitos risos e pensamentos engraçados. Quanto a saber tudo sobre ela, dê espaço. Ela vai te contar se ela quiser, ou se você for íntima o suficiente, pode perguntar, mas non garanto respostas.
Capricornianas são como gatos. Se você não é de casa, não tente acariciar... Ela vai fujir. Depois de te observar bastante, e qualificar você como bom o suficiente, talvez ela use você como objeto de carinho. Ela se acaricia sozinha, na maioria das vezes.
Capricornianas são muito independentes, parecem não precisar de nada nunca. Mas como todo bom gato, ele às vezes que deitar num colo, por um tempo. Mas non tente prender só pq você se acostumou com o calor do felino... Quem anda com gatos tem que aprender a pescar.
Capricornianas são ativas demais, pra estar com elas é assim ou mais.
Mas a correria valhe a pena, você passa a conhecer, a conviver, a esperar sempre MAIS. Capricornianas são sempre mais.

E eu me lembro de uma vez que uma capricorniana em particular reclamou por que ninguém escrevia nada sobre ela...
E eu digo pra ela agora: É por que eles estão correndo contigo.
Pra não te perder de vista. Uma vez perto de uma capricorniana, sempre perto.

E eu me sinto ótima de saber que corro com você, pra onde quer que você vá.


Beethoven Love Letter:
"Though still in bed, my thoughts go out to you, my Immortal Beloved, now and then joyfully, then sadly, waiting to learn whether or not fate will hear us - I can live only wholly with you or not at all - Yes, I am resolved to wander so long away from you until I can fly to your arms and say that I am really at home with you, and can send my soul enwrapped in you into the land of spirits - Yes, unhappily it must be so - You will be the more contained since you know my fidelity to you. No one else can ever possess my heart - never - never - Oh God, why must one be parted from one whom one so loves.

And yet my life in V is now a wretched life - Your love makes me at once the happiest and the unhappiest of men - At my age I need a steady, quiet life - can that be so in our connection?

My angel, I have just been told that the mailcoach goes every day - therefore I must close at once so that you may receive the letter at once - Be calm, only by a calm consideration of our existence can we achieve our purpose to live together - Be calm - love me - today - yesterday - what tearful longings for you - you - you - my life - my all - farewell.

Oh continue to love me - never misjudge the most faithful heart of your beloved.

Ever thine.
Ever mine.
Ever ours."

Ab ovo. Ab aeterno.


Sábado, 27 de Setembro de 2008


Jade aqui.

Beesha, sei que tu anda e caga pra essas demonstrações públicas de afeto, mas eu non resisto!

Saudades das tuas maluquices, po.
Sumiu, só não te alugo por uns tempos pq tu sab... Nunca sei se vc tá ocupada ou com o Sérgio... Inton, fico quieta xD

Tu sabe que é só contigo que eu rio da barriga doer, pq só vc fala algo como "Vamos pelos cantos que é na beirada" ou "Achou que eu tava brincando?" ou então (a mais recente) "Jade, é impressão minha ou a gente tá em Bangu seguindo um cara que a gente acabou de conhecer?"

E tu sabe que ninguém é mais sarcástica e ninguém tem a língua mais afiada e o humor mais ácido que nós duas juntas.

Cara, a gente fala em código, muita das vezes eu nem preciso dizer o código! xD

Eu dedico comunas a ela, e mando links de fics, fotos, reportagens... a gente dá nosso jeito de continuar em contato.

Eu consigo explicar sentimentos pra ela.

Pq vc sempre entende o que eu digo, mesmo quando eu ainda não disse. A gente aperta a mão da outra no Barra shopping, na eterj (por motivos diferentes, mas pela mesma sensação de ansiedade e aflição). E a gente canta Kill Hannah e Legião no trem voltando pra casa, e pouco ligando pros pobres sem cultura que olhavam pra gente indignados. A gente fica triste quando vê aqueles cds na Fnac, ou quando não podemos ir a algum lugar =/, ou quando a PORCARIA DA FIC NÃO ATUALIZA!! ò.ó erm... a gente rouba água do balcão xD (na verdade, a gente não.) A gente é boa entendedora de nós mesmas. Pq meia palavra basta. A gente cria gírias, fala besteiras, trocadilhos, e a gente é da Máfia dos MANO hei! A mina HA xDDDD Eu sei que vc non gosta dessa música.

E a gente é mto parecida xD mas eu ainda me surpreendo de ver o quanto xD

A gente compartilha música boas, filmes, animes, desenhos, material, sapatos, cds, e qualquer outra coisa que a outra queira... Vc É a minha melhor amiga, aquela que sabe dos meus podres mais podres tão podres que às vezes nem eu sei.

Mas vc sabe e isso é o que importa xD

Você lê minhas expressões e ri. Nunca te disse, mas me acho o máximo quando isso acontece... pq quando eu te conheci vc era séria demais, te ver rir de algo era uma vitória (agora tu rí atoa... )

A gente amadureceu juntas, temos os mesmos interesses, literários, cabelísticos, élficos, yaois, artísticos entre outros ;S

Tu é a minha amiga yaoi telepata cara! Aonde eu vou achar outra, poha!? >.<

E mesmo quando a gente fica vários tempos sem se ver, tudo volta ao lugar quando eu falo contigo =) E a gente ainda anda no mesmo passo. (Apesar de vc conseguir andar com o Mister pernas espartano mulçumano)

Aparece beesha. Tu sabe que eu te amo (bagaraio)! xD

I miss you a lot very much, mano! =*

beijosemeligapragentchêirnabuatchyfazeraloucadoavessoporra!


SÓ PRA CONSTAR: A gente ARRASA, beesha xD

Detalhes Tão Pequenos


Domingo, 21 de Setembro de 2008


O que me faz falta, é o que não tenho, obviamente.
São detalhes pequenos... Mas assim como uma desfragmentação de disco, eles se agrupam formando uma extensa faixa vermelha que me diz, não exatamente, o que está faltando.
Alguns detalhes, assim como todo detalhe, posso ignorar... Até ele ficar em evidência (Pausa para trocadilho matemático, aqui). Não devia, eu sei, levar isso na brincadeira, mas não seriam meros detalhes se eu não os ignorasse. Dizem que o tempo cura tudo. Dizem também que o tempo não cura nada, só tira o incurável do centro das atenções. De certa forma acredito nas duas afirmações. Se o tempo não tirasse do centro das atenções, não seria curado. Depois de um tempo, a dor passa a ser mais um mero detalhe, totalmente ignorável. Até que uma hora, você vai estar acostumada com a dor... Alguns chamam isso de cura.
"A dor é inevitável, o sofrimento é opcional." (Drummont)
O melhor seria poder me desligar disso tudo. Deixar tudo isso passar, no passado, pra trás. Tudo isso perdido em 100.000 léguas submarinas, pra que eu nunca mais possa achar nada disso... Nunca mais! Nunca mais, algumas vezes, é o tempo verbal dos sonhos. Nunca mais ver tal pessoa, nunca mais se deparar com tal constatação, nunca mais se achar frente a frente com aquela memória, nunca mais lembrar, nunca mais ouvir tal coisa, nunca mais sentir tal sentimento, nunca mais se despedaçar por uma coisa que você sabe que mais tarde de nada acarretará.
A maioria dos pedaços que eu deixei pra trás, como um rastro de mente vividamente perdida, não deram em nada. Nada mesmo. Acho que no fundo esses pedaços servem só como filosofia, aquele típico ditado de 'Caia sempre, pra se levantar cada vez mais forte'. Olha, cair é muito fácil... Difícil é levantar de verdade, de uma hora pra outra, algo do tipo "caí e já tô de pé." Sem contar o tempo que, às vezes, antes de se levantar completamente, você passa se arrastando. Bom seria soltar todas as amarras, se livrar de todos os pesamentos pesarosos, todas as suas tristezas e viver intensamente e feliz. Fazendo o que quer, na maioria das vezes.
Talvez, tudo isso seja só por passagem mesmo. Só pra você ver como é, na real, até você conseguir ver do outro lado da neblina.
Até quando os talvez vão perseguir meus pensamentos?
Talvez eles fiquem pra trás juntos com meus pedaços. Talvez.
Só sei que não tenho tempo pra pensar nisso.
"Não importa em quantas partes seu coração se parta, o mundo não pára para que você o conserte." Do mestre, William Shakespeare.
Shakespeare já sabia sobre o tempo.

Prioridades


Sábado, 13 de Setembro de 2008


Me diz aê, como você prioriza sua vida. Mas antes de mais nada, considere-se solteiro(a). Por que, como todo mundo sabe, só uma pessoa solteira pensa em mais de uma pessoa. (:
Família? Amigos? Parentes? (Já deixei claro que parente non é família, é agregado de festa). Hm... A maioria das pessoas organiza assim. As solteiras, claro.
Agora, olhando do ponto de vista de uma pessoa em um relacionamento:
Parceiro(a)? Parceiro(a)? Parceiro(a) de novo, e se sobrar tempo, parceiro(a) mais uma vez.
Não é problema de você estar em um relacionamento, mas já se perguntou o que aconteceu com o resto do mundo enquando vc estava enclausurado aí? Pois é, para sua surpresa, ele ainda existe. SIM, ele não acabou. Engraçado, néah? =D Não, não é.
Nada contra qualquer tipo de relacionamento, até gosto, acho bonito. Mas por favor, não culpe terceiros na perda de algum outro tipo de relacionamento. A culpa é sua, somente sua. Que quando estava solo se importava com o seu redor mais que tudo, e hoje não vê ninguém, exceto o amado.
É. O engraçado é que depois, os culpados são os terceiros, que por (geralmente) serem solteiros não entendem o grande amor que o casal sente.
É... Realmente não entendemos, mas isso só quer dizer que ainda temos bastante massa encefálica pra usar.
Mas, mostrando o verdadeiro sentido do post agora:
"Revi minhas prioridades", foi o que eu entendi. 'Talvez seja a minha hora" pensei.
É, talvez realmente seja. Não vou correr mais atrás de ninguém. Mas ainda sim, correrei, na direção de mim mesma. Se quiser corra atrás, mas minha prioridade é e sempre será daqueles que correrão ao meu lado, mesmo quando chover.
De nada adiantaria, que me seguissem. Seria o mesmo que ficar sozinha.
Prioridades internamente revistas, checado.
Afinal, eu que sou solteira, e não entendo essa vida de só e apenas o amor me basta, ainda penso.
É... Pensar (por mim mesma) está entre as minhas prioridades. (;

E viva as extintas (mas ainda existentes) mentes pensantes!


E, abre aspas;

Amazing - Steven Tyler, The King:

"I kept the right ones out, and let the wrong ones in.
Had an angel of mercy to see me through all my sins .
There were times in my life, when I was goin' insane
Tryin to walk through.. The pain!

When I lost my grip, and I hit the floor...
Yeah, I thought I could leave, but couldn't get out the door.
I was so sick and tired Of livin' a lie...I was wishin that I... Would die!

Chorus
It's Amazing,
With the blink of an eye you finally see the light!
It's Amazing,
When the moment arrives that you know you'll be alright!
It's Amazing,
And I'm sayin' a prayer for the desperate hearts tonight.

That one last shot's a Permanent Vacation!
And how high can you fly with broken wings?
Life's a journey, not a destination!
And I just can't tell just what tomorrow brings!

You have to learn to crawl, before you learn to walk.
But I just couldn't listen to all that righteous talk!
I was out on the street, just tryin' to survive
Scratchin' to stay... Alive!

Chorus

[spoken]
So, from all of us at Aerosmith,
To all of you, wherever you are...
Remember, the light at the end of the tunnel...
May be you.
Goodnight!